Total de visualizações de página

terça-feira, 13 de maio de 2008

Edipo errei

Sou mais um puto jogado.
Em luxúria enclausurado
Transbordando gotas de vida chula.
Esporrando lascividade na cara tua.
Entre espasmos de serotonina.
E pernas voluptuosas de menina
Me encontro e perco.
Ao mínimo toque fervo.
Um tanto quanto incontrolável.
Virilidade pouco louvável.
Santa ninfomania.
Pecados todo dia.
Céu e inferno em saltos.
Fel interno em gritos altos.
Faço disso minha prece.
Até que minh’alma confece.

Tudo de novo.
Quebra o ovo.
Mais um mundo.
Puto vagabundo:
A fêmea

É este o combustível.
Matriarca das emoções.
Essa alguém que vive em pulsos.
Rainha dos corações.
Entre gemidos e soluços.
Palpável, crível, incrivel.

Pelo topo o início.

Cabelo de mulher é vicio.
Seus olhos revelam almas.
Suas piscadas calmas.
Seu mirar de rapina.
Mulher ou menina.
Suas bocas entorpecem o pau.
O sangue me torna venal.



Veludo,
Seda
ou simples pele.
Seu cabelo não interfere.
O gosto,
o tato e o cheiro.
Me derrubam mas não por inteiro.
Pescoços frágeis.
Pedindo para serem mortas.
Indefesas com uma mordia.
Abrem de prontidão as portas.
O colo onde tanto me afago.
Odores que tanto trago.
Escuta-se o pulsar de sua cabeça.
Até que novamente entorpeça.




Desço até o seio.
Entre as mamas.
No meio.

Sinto um osso.
Esse mais grosso.
Sangue indefeso.
Um coração preso.
Pulsos mais fortes.

No peito os peitos.
Perfeitos.

Sua métrica impressionante.
Me fazem seu maior amante.
Também ao toque reagem.
Abrem a porta da barragem.
A minha mãe volto.
Grudo e não solto.
Mamo, mamas com amor.
Para acalentar minha dor.

Ao umbigo dedico meu ser.
Ele alimentou meu nascer.
Me abstenho da bunda e da perna.
Encontro delas em qualquer taverna.

Passo a vulva meu prazer.
Seus espasmos sem querer.
Goles de amor e sexo.
Buraco complexo.
Dessa cabana.
Calor emana.
A ela:
dedico meu estar.
Encher, transbordar.
Adoro estar envolvido.
Adoro sussuros ao ouvido.
Ao útero torno num segundo
Retorno a minha saudade.
A quem me trouxe ao mundo.
Percebo a minha verdade
Esse puto sibarita vagabundo.
Não é carente de mulher.
Descobre chegando ao fundo
Que apenas uma mãe quer.

Nenhum comentário: